Tribunal de Justiça inicia julgamento de atos de improbidade administrativa contra padre Eraldo

Tribunal
Tribunal de Justiça inicia julgamento de atos de improbidade administrativa contra padre Eraldo

Tribunal de Justiça inicia julgamento de atos de improbidade administrativa contra padre Eraldo



O Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), inciou nesta terça-feira (20), o julgamento da Ação Penal, impetrada pelo Ministério Público Estadual (MPE), em desfavor do atual prefeito da cidade de Delmiro Gouveia, Eraldo Joaquim Cordeiro (PSD).

De acordo com o MPE, que realizou buscas e apreensões na sede da prefeitura e em várias secretarias, em março de 2018, após apuração dos dados, o gestor seria o chefe de uma Organização Criminosa (Orcrim), que desviou valores que ultrapassam 27 milhões de reais dos cofres públicos, em contratos relacionados à locação de veículos e máquinas pesadas.

A apuração da investigação resultou no pedido de cassação e prisão do gestor e de seis vereadores da cidade. (relembre aqui), através de Ação Penal, expedida em setembro de 2019.

Na peça, o então Procurador-geral do MPE, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, apontou que a gestão municipal dispunha de frota suficiente ao realizar contratos emergenciais(relembre aqui).

O desembargador Washigton Luiz, que ficou responsável pelo caso, negou o pedido de prisão e afastamento, mas continuou com o processo de investigação.

Em entrevista recente, o prefeito foi questionado sobre o assunto. Para ele, as denúncias ofertadas ao MPE partem de estratégia política. “Todo mundo sabe que fui e sou alvo de perseguição. Eu nunca sujei minhas mãos com dinheiro público. Essas denúncias são fabricadas, o processo está lá e eu espero que seja julgado, porque sou inocente”, disse Eraldo Cordeiro.

Entenda como funciona o julgamento

Apesar de correr em segredo de Justiça, o processo que tramita na modalidade “Procedimento Ordinário”, resumidamente se detém quando a pena máxima em abstrato do crime cometido for maior ou igual a 4 anos. A Ação Penal é observada no Tribunal do Pleno, ou seja, pelo colegiado de desembargadores.

Este procedimento se inicia com a denúncia do réu (ação penal pública), ou com a queixa-crime (ação penal privada). O processo segue e o colegiado vai decidir se aceita ou rejeita a denúncia.

Nesta terça-feira, um desembargador pediu vista, ou seja, maior tempo para analisar a peça que fora preparada pelo MPE. Após essa apreciação, o colegiado vai decidir o destino do prefeito da cidade sertaneja.


por radarnoticias.com.br/
Foto: Arquivo (Ascom/PMDG)